Bolero

Uma noite. Mais uma noite. Só uma noite? Não, ainda uma noite… uma noite triste, em um lugar triste. Quer dizer, uma discoteca que toca techno a noite inteira não é um lugar necessariamente triste. O som é aquele bate-estaca que todos os modernos acham o máximo. Eu não sou moderna. Até me acho moderna, mas não gosto deste tipo de som. Além do que, acho qualquer boate da moda uma mistura de boca de fumo com motel.

A menina dança. Dança nada. Mentira minha. Começos de parágrafos geralmente pedem uma idéia. Sou muito egoísta para começar um parágrafo dizendo a verdade, ainda mais se a verdade é sobre mim. Tampouco sou forte o suficiente para manter a mentira. Mentiras são mais complexas que um jogo de War II, quando você só tem a Ilha de Sumatra. Admito que nem todo o parágrafo que começo é mentira, mas esse foi.

Confusa, muito confusa. Devem ser os quatro sex on the beach. O drink, porque a fantasia não se realiza faz tempo. Você deve se perguntar o porquê de uma menina de 19 anos não ter sequer um raciocínio linear, nem passatempo horizontal. Poderia responder que conheço mulheres de 27 bem piores do que eu, mas seria fugir da pergunta. Então serei direta como poucas vezes fui em minha vida: Me sinto só. Sou só. O fato de beijar a boca de alguém não me faz ser menos só. E não adianta procurar nos lugares onde vou. Porque não vou achar o que quero.

Sim, eu sei, deveria freqüentar outros lugares. Quem iria comigo? O lugar que quero ir é lugar nenhum, é o meu lugar, qualquer lugar. É encontrar uma cara-metade, para tomar e fazer sex on the beach. É rir de tudo e chorar por nada, sem encontrar nenhuma explicação para quaisquer das alternativas citadas. É ser feliz sem precisar pensar em sê-lo, algo automático como ir ao banheiro pela manhã, ou olhar uma notícia em uma revista de fofoca quando se passa pela banca. É escutar as músicas melosas do Guilherme Arantes e do Roupa Nova com a reverência que se escuta Chico Buarque e Johnny Cash. É dançar bolero sem soar ridículo, mesmo sabendo que soa. Pelo menos na minha idade soa.

É isso, amar é ridículo. Pois que é lindo. Lindo – e ridículo – como o bolero. E isso é um sonho. Vou continuar sonhando este sonho. Compassado… dois pra lá, dois pra cá… o sonho de dançar juntinho, o bolero de amor.

[Postado originalmente em 100 contos que não valem nada, em XXVII.04.2005]

Anúncios

Agora pare: Escreva um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s