Tic Tac

O Brasil é o país da contradição. Mais do que a hipocrisia, a contradição molda e ambienta todo nosso modus vivendi. Camadas e camadas de pessoas que teimam em se achar diferenciadas, água e óleo, quando são apenas pessoas.  Nesta pátria partida, a evolução social e financeira vem causando a inevitável queda da máscara da hipocrisia e, com isso, se aproxima o momento de uma verdadeira convulsão social, que hoje, embora ainda seja silenciosa, já começa a emitir seus primeiros murmúrios.

Com a estabilidade da moeda iniciada no governo de Fernando Henrique e perpetuada nos governos Lula e Dilma, o povo brasileiro de qualquer classe social passou a poder sonhar e se planejar. Os governos Lula e Dilma adicionaram a esta mistura um componente social importante, que permitiu às camadas sociais mais pobres finalmente respirar o ar da modernidade e viver com mais conforto e dignidade do que jamais viveu.

Além disso, a jovem democracia agora debutante permite as mais diversas formas de expressão e inclusão. E, curiosamente, a soma de evolução social com evolução da liberdade de expressão abre uma rachadura irreparável na lenda de que o brasileiro é um povo tolerante, compreensivo e sociável. Não é. E isso é comprovado desde as senhorinhas pudicas de Higienópolis até os playboys de Boa Viagem, passando pelos pitboys da Barra da Tijuca, todos irmanados em serem irascíveis.

A moda do momento no Brasil é o maniqueísmo. Uma moda vintage, eu diria. Esquerda contra direita, cotas contra anticotas, a favor do aborto, contra o aborto, velha classe média contra nova classe média. A tentativa de impor posições e rótulos no grito, para mostrar que sua posição é onisciente, como se houvesse apenas uma face da moeda. O debate é esquecido, não existe mais, o que comprova que toda a evolução social e financeira não esconde uma falha grave e letal na formação do caráter da atual sociedade brasileira: A involução da educação.

O país que trata professores como prostitutas, obrigando profissionais dedicados a trabalharem em diversos lugares e fazerem jornada tripla para viverem com um mínimo de dignidade, pois seu salário é ridículo. O péssimo trato ao professorado é uma chaga indelével e nefasta do governo de FHC, que Lula e Dilma não corrigiram. E o impacto disso se reflete de forma cada vez mais cristalina em nosso convívio social.

Cada vez menos jovens querem ser professores. Cada vez menos educação é dada em casa e, com menos docentes, o nível educacional decai. E assim, vamos criando uma sociedade cada vez menos educada e mais involuída, num paradoxo gritante com a evolução social e financeira.

Sem educação, com ignorância, com truculência. É assim que opiniões divergentes hoje se tratam no Brasil. Uma das maiores virtudes que qualquer sociedade pode ter é o bom senso. E esta virtude é solenemente ignorada no país. Pegando o gancho de uma discussão recente, cada vez mais o corpo social brasileiro é anencéfalo.

Assim, com mais informação, com mais dinheiro, com mais pessoas podendo se expressar, mas sem um pingo de educação e respeito, nosso país vai se tornando uma ode ao confronto  entre classes, uma bomba-relógio prestes a explodir e que, caso seja acionado o detonador, pode expor ainda mais a fratura horrenda do caráter de nossa sociedade. Tic Tac.

Anúncios

3 opiniões sobre “Tic Tac

  1. Pingback: A crise dos três poderes | O Enciclopedista

Agora pare: Escreva um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s