Vidas e Veleiros*

Poucas coisas são mais imprevisíveis do que velejar. Quem navega não sabe o que vai encontrar, por quantas intempéries irá passar e, muitas vezes, nem para onde o destino o levará. A brisa constante, que salva da insanidade; as ondas sedutoras que carregam a saudade. O por-do-sol no horizonte, que faz lembrar as sereias. A carente luz do farol, é a solidão que norteia.

A vida é como um veleiro. Por vezes, ultrapassa longos períodos de calmaria, até que uma tormenta vem e faz sacolejar mais do que folião descendo as ladeiras de Olinda. Cruza portos distantes sem saber se vai voltar. Nostalgia do que ficou para trás, vontade de buscar o futuro.

A guia azul e branca que guia, que acalma, conforta e alivia. O feitiço do luar que chama, a maresia que envolve e que ama. A vida é o mar. O som é o som do mar, todos são do mar, ele é quem adota e vem nos ninar.

Neste veleiro da vida, quem a vive é comandante. Todos sendo Santiago, personagem de Hemingway, pescador que acredita que um dia conseguirá capturar o maior peixe de todos. Na sanha da utopia virar realidade, é que sopram os ventos do destino. O vôo das gaivotas, esperança no espelho d´água, que cura a dor da perda e leva embora a mágoa.

Quanto mais se navega, mais coisas se aprende. Tempestades deixam de assustar, embora sempre haverá uma ou outra que gere medo, talvez pavor, sempre receio. O importante é nunca olhar pra trás. Sempre içar velas, sempre velejar. Observar o balé dos peixes, a fúria das ressacas. O misto de medo e beleza, descarregando a tristeza.

Velejando ou não, os ventos nunca deixam de soprar. Não há tempo para arrependimentos, nem quando os portos ficam para trás. Buscar o peixe grande, seja ele qual for, sempre deve ser meta, mesmo que o mar teste seus limites. Ciclos, ondas. Vem e vai. Maré cheia e vazia. Odo yá.

________________________

*Inspirado no texto “Barcos”, de XXVI.10.2005, do “100 contos que não valem nada”, com excertos do poema/música “Águas Salgadas”, da Loks Capuccino, de VI.2000

Anúncios

2 opiniões sobre “Vidas e Veleiros*

  1. Pingback: O Céu Responde | Cotidiano e Outras Drogas

  2. Adorei o texto! Na realidade estou virando fã do seu blog desde que conheci no Twittet!

    Só tem uma coisa que discordo, ” o importante é nao olhar Pra traz”. Para que veleja, o Pra traz pode ser a frente um dia! Rs…

    Bju e parabéns pelo texto!!!

    Curtir

Agora pare: Escreva um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s