[Des]Poesias

Quando se conheceram, foi amor à primeira vista. Ele amava poesia e ela adorava ouvir a poesia que ele declamava. Depois do primeiro beijo, inesquecível, a olhou e declamou Drummond: “Leitura de relâmpago cifrado, que, decifrado nada mais existe”. Ela se apaixonou.

Subiram ao altar um ano depois, em cerimônia religiosa com direito a véu, grinalda, dama de honra e festa cheia de gente. Ao olhar para a noiva, deslumbrante, citou Cecília Meireles: “É difícil para os indecisos. É assustador para os medrosos, avassalador para os apaixonados!” E ela se derreteu ainda mais.

Tiveram filhos gêmeos, lindos. Uma família feliz, de comercial de margarina. Ao ver aquela foto belíssima, ele sorriu pra ela e cantarolou Vinícius: “Amo-te, enfim, com grande liberdade, dentro da eternidade e a cada instante.”. Naquele momento, ela tinha tudo que poderia querer na vida.

Durante a rotina, o amor foi amornando. Depois de quatro anos juntos, não era a mesma coisa. Ele se tornou peça nula, ausente, pálida. Ela se perguntava o porquê daquilo. Ele, pela primeira vez, não foi trovador, preferiu o silêncio. Viraram letra morta, desafinaram.

Ela não se conformou e resolveu investigar. Revirou coisas, viu bilhetes, contas telefônicas, virou uma paranóica, mas não foi em vão. Quem procura, acha, com ela não foi diferente: Descobriu que ele tinha uma amante fixa. Mais: tinha outra casa. Ainda mais: A manteúda  estava grávida. Se sentiu como personagem de Nelson Rodrigues, sem poesia alguma.

Quando chegou em casa, arrumou as malas, colocou os filhos embaixo do braço e lhe escreveu um bilhete…” a você que tanto me declamou poemas, me fez feliz e depois me iludiu, deixo Mario Quintana, pois dos meus olhos fechados desceram lágrimas que não enxuguei, e da minha boca fechada nasceram sussurros. Complemento com uma poesia da minha autoria, dizendo que os sussurros agora viram gritos e te mandam para a puta que pariu, seu miserável mentiroso.”

Hoje em dia ela seguiu a vida e quase não mantém contato com ele, que continua declamando poesias em qualquer lugar, inclusive no xilindró, para onde vai quando deixa de pagar a pensão dos gêmeos e do filho da amante.

Anúncios

Uma opinião sobre “[Des]Poesias

Agora pare: Escreva um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s