Berenice

Berenice é uma menina como tantas outras, com suas esperanças e sonhos. Embora ela quisesse aparecer perante o mundo e aos seus amores, se sente confortável nos bastidores. Ela gosta de luz, mas é sombra.

Ela escreve. Escreve para ninguém ler, na esperança de que o mundo inteiro a compreenda. Nos garranchos mal traçados, ela cospe palavras, travestidas de sentimentos. Ali, escorre seu veneno e seu antídoto. Berenice odeia e ama na mesma proporção, muitas vezes confundindo uma coisa com outra.

E gosta de se jactar que tem uma armadura que a protege contra tudo e contra todos, como se fosse uma panacéia eterna contra os temores e dores do dia a dia. Gostaria de ser cientista, ou artista, ou os dois.

Só não queria ser uma professora falida, lidando com seus próprios medos e derrotas, como já viu tanta gente próxima ser. Isso, não. Respira. Asfixia. Pensa. Fecha os olhos. Sonha. Acorda. Dorme. Insone.

E às vezes, ela chora. Só. Solidão é o mal que aflige Berenice. Mesmo com tantas palavras, tanto sentir, tanto querer, às vezes ela está só. O que ela quer é ser feliz. E quem é que não quer ser feliz? Por mais que ela pose de mulher resolvida, é só uma menina.

Ela flerta inúmeras vezes com a alegria e com a expectativa, num menage de ansiedade, mas dorme de braços dados com a frustração. E nas lágrimas de insônia, Berenice se conforta. E tenta sonhar.

Ah, Berenice…

Anúncios

Uma opinião sobre “Berenice

Agora pare: Escreva um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s