Toda Forma de Responder

O dia dele começou de forma tensa, com um engarrafamento monstruoso. Nada funcionava. Preso no trânsito, sua irritação só aumentava. Tudo o tirava do sério. Entre buzinas e xingamentos, antes que se transformasse em Michael Douglas em “Dia de Fúria”, recebeu uma ligação do seu chefe, o espinafrando.

Aquele telefonema o deixou ainda mais transtornado. Ao escutar mais um xingamento xexelento no trânsito,se anestesiou de ódio. Decidiu ligar o rádio e escutou uma música dos Engenheiros do Hawaii. Ele nunca foi fã de Engenheiros do Hawaii. Na verdade, achava uma porcaria. Era apenas questão de gosto.

No entanto, as frases de efeito da banda sempre tinham impacto, um quê de firula, um ar de arrogância. Ele teve uma idéia: decidiu fazer um protesto. Naquele dia, só responderia às pessoas com fragmentos de letras da banda. Saiu do engarrafamento e acelerou, pensando: “110, 120, 160…”. Tomou uma multa.

Ao chegar no trabalho, a secretária prontamente lhe recebeu com um sorriso e o diálogo se sucedeu:

– “Bom dia! O senhor tem uma reunião”
– “O que você me pede eu não posso fazer”
– “O que, mas este fornecedor marcou horário há mais de duas semanas”
– “Não ouço nada, o que eu ouço não diz nada”
– “Tudo bem, remarco esta reunião pra quando? Ele diz que tem que discutir informações muito relevantes para a parceria”.
– “Eu presto atenção no que eles dizem, mas eles não dizem nada.”

Antes de bater a porta, ainda soltou um “yeah, yeah” e sentou na cadeira. Ligou o computador, leu os e-mails, o primeiro e-mail foi do chefe se desculpando pela bronca da manhã. Evitou responder. No skype, o chefe o chamou, reiterando a situação.

– “Me excedi com você, me desculpe. Sei o quanto você é importante para a empresa.”
– “Somos um exército de um homem só”

O chefe não entendeu direito o que ele quis dizer. Informou detalhes da viagem que iria fazer e continuou o diálogo.

– “Você precisa descansar, está trabalhando demais”
– “Envelheci 10 anos ou mais, desde o último mês”
– “Como estão os indicadores da empresa, teremos aumento do faturamento?”
– “Todo mundo tá revendo o que nunca foi visto. Todo mundo tá comprando os mais vendidos.”
– “Muito bom, assim você pode faturar uma bela comissão”
– “Tudo é motivo pra mais”
– “Você está profundo hoje. Meio piegas, mas profundo. Devia relaxar e ir para o bar depois do expediente.”
– “Com um vinho barato, um cigarro no cinzeiro e a cara embriagada no espelho do banheiro.”

O chefe ficou sem entender, desligou o mensageiro eletrônico e foi cuidar da vida. Ao mesmo tempo em que ele ficava feliz por não ter que pensar no que falava, se surpreendia ao conhecer tantas músicas do Engenheiros do Hawaii. O subconsciente era quase um músico de apoio da banda. Foi almoçar e ao voltar, passou novamente pela secretária.

– “Nosso cliente mais importante quer uma conferência com você, urgente. É a diretora que quer falar com você. Vai se recusar a atendê-la?”
– “Diga a verdade, doa a quem doer […] e me dê seu telefone”

A diretora da maior conta da empresa estava enfurecida. Havia uma negociação na Região Norte do país e um carregamento tinha sido enviado para lá, sem informações de chegada. A conversa iniciou tensa.

– “Onde está nosso carregamento. O veículo está seguindo por uma rota completamente diferente da que estamos acostumados a fazer”
– “Paralelas que se cruzam em Belém do Pará”
– “Mas ele precisa seguir por balsa para Manaus!”
– “Longe, longe. Aqui do lado”
– “Eu preciso desse material lá por avião, urgente. A balsa não vai me atender em tempo suficiente!”
– “Levamos muito tempo pra descobrir que não é por aí, não é por nada não. Não pode ser”
– “Mas eu quero que seja assim”
– “O preço que se paga às vezes é caro demais”
– “Você tem alguma sugestão melhor?”
– “A dúvida é o preço da pureza”
– “Somos o melhor cliente da empresa. Faça o que estou mandando.”
– “Um dia me disseram quem eram os donos da situação.”
– “Quero que sigam exatamente minhas orientações”
– “Mas não precisamos saber pra onde vamos, nós só precisamos ir.”
– “Exatamente igual, você entendeu?
– “Tudo bem, garota, não adianta mesmo ser livre”
– “O que você disse?”
– “Escute, garota, façamos um pacto, você desliga o telefone se eu ficar muito abstrato”.

A cliente nada entendeu. E desligou o telefone. As ordens foram cumpridas, gastando o orçamento necessário. O dia estava terminando e ele estava consideravelmente mais leve. Sua única preocupação era o conhecimento do repertório dos Engenheiros do Hawaii. Nunca imaginara saber tanto sobre a banda que dissera não gostar. Era um fã enrustido.

Às 18 horas, pegou suas coisas e saiu da firma. A secretária se despediu e perguntou:

– “Amanhã o senhor vem para o trabalho cedo ou vai a algum cliente?”
– “Nós não precisamos saber pra onde vamos, nós só precisamos ir”
– “O senhor estava muito esquisito hoje. Isso não é estafa não?”
– “Estamos sós e nenhum de nós sabe exatamente onde vai parar”
– “Descanse hoje, converse com sua esposa, vai te fazer bem. Estou sendo muito invasiva?”
– “Eu acho que sim, você finge que não”

A secretária se calou a partir dali e ele pegou o carro. Sem trânsito e sem stress. Ao chegar em casa, abraçou sua esposa, deu-lhe um beijo na testa e começou a tirar a roupa para tomar banho.

– “Como foi seu dia hoje? Liguei para a empresa, a secretária disse que você estava muito atarefado e um tanto quanto esquisito”
– “Minha vida é tão confusa quanto a América Central, por isso não me acuse de ser irracional.”
– “O que é isso, você está me respondendo com uma letra de música de Engenheiros do Hawaii? Mas você nem gosta da banda!”
– “Escute, garota, o vento canta uma canção, dessas que a gente nunca canta sem refrão”
– “Você pode parar com essa palhaçadinha, deixa isso pro escritório”
– “Mas eu não sou ator, eu não tô à toa do teu lado”
– “O que você vai fazer da próxima vez, recitar Los Hermanos?”
– “Só pra ver até quando o motor aguenta”
– “Vai à merda”
– “Pra ser sincero não espero de você mais do que educação”
– “Ser sua esposa, às vezes, é muito complicado. Chega às raias do absurdo”
– “Como outro qualquer, como tentar o suicídio ou amar uma mulher”

Neste momento, mais um beijo na boca, um abraço apertado e uma gargalhada rumo ao chuveiro. E ela pensa na vingança, para no dia seguinte responder a tudo que ele pergunta com letras de música do Wando.

Anúncios

6 opiniões sobre “Toda Forma de Responder

  1. Pingback: 301 | Cotidiano e Outras Drogas

  2. Pingback: 201 | Cotidiano e Outras Drogas

  3. Pingback: Toda Forma de Responder (via Cotidiano e Outras Drogas) | Beto Bertagna a 24 quadros

Agora pare: Escreva um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s