O Céu Responde

– Oi. [assustado]
– Oi.
– A Benção.
– Deus te abençoe. Você está bem?
– Tô sim, as coisas vão se ajeitando, a alegria chega também. Sorrio. Sinto sua falta. Como você está?
– Estou bem, estou ótima. Precisava descansar, estou fazendo isso.
– Tentei chegar, não deu.
– Eu sei, mas a distância entre nós nunca significou falta de amor. Pelo contrário.
– É verdade. Mas queria dar o último beijo, dizer que te amava mais uma vez.
– Você nunca deixou de dizer que me amava, esse arrependimento você não deve ter. E, de mais a mais, eu estava feia, pelo menos você fica com a última imagem boa. Como estão todos?
– Estão bem. E ainda vai melhorar. É o ciclo da vida, né?
– Sim, é. Uns vão, outros vem. Eu fui, você fica e continua o legado. Faz parte do show. Lembra da história do barquinho?
– Sim, lembro.
– Então, há muitos mares para seu barquinho navegar, muitas coisas para ele ver e viver. E no estaleiro da sua vida, você tem marinheiros para ensinar a navegar ainda.
– E o seu barquinho?
– O meu atracou, depois de grandes aventuras. Estava na hora.
– É. Temos tendência a ser egoístas com quem amamos.
– Sim, mas você tem lidado bem com isso.
– Ainda não consegui chorar sua perda.
– Não chore, sorria. Você tem um sorriso muito bonito. Eu sempre te disse isso.
– Eu sei, mas parece que falta algo.
– Quando o choro vier, será de alegria, por outras coisas importantes. Acredite em mim.
– Eu acredito.
– Cuide das coisas por aí, tenho confiança que você pode manter as coisas equilibradas.
– Você vai sempre me visitar?
– Não, só quando for necessário.
– Por que?
– Porque seu barquinho continua navegando. Minha missão é outra. Você não precisa mais de mim como timoneira.
– Vou sentir saudade.
– Isso não é ruim. Ruim é sentir dor. E já está cicatrizando.
– Vamos em frente. Sempre em frente.
– Isso.
– Tenho sentido medo de morrer, às vezes. Sua partida me deu sensação de mortalidade. Tenho questionado alguns dogmas que sempre tive.
– Não sinta. Todos somos mortais. A experiência nos mostra que isso é algo presente. Mas seja sereno. E não questione seus dogmas, apenas viva. Eu estou aqui. Lembre daquela música que escutávamos quando você era pequeno.
– Qual?
“É preciso estar atento e forte, não temos tempo de temer a morte”
[silêncio] É verdade…
– Não tema, você ainda tem uma longa história pela frente.
– Te amo.
– Eu também te amo. Que Deus te faça feliz.
– Vai, descansa em paz, seja feliz, onde estiver.
– Estou sendo. Agora descanse, daqui a pouco você vai acordar e colocar o barco pra navegar de novo.
– Um beijo.
– Outro.

[E acorda, com sorriso no rosto. E lágrimas descendo]

____________

Esse texto é a continuação de “Carta ao Céu”, com citações a “Vidas e Veleiros” e “A Feiticeira e o Cavaleiro”

Anúncios

3 opiniões sobre “O Céu Responde

Agora pare: Escreva um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s