Dodes´ka-Den

Aos sete anos, o despertador do menino era o barulho do trem, que passava na esquina da rua onde morava. Aos sete, às sete, escutar o chacoalhar dos vagões era o prenúncio de que era hora de ir para a escola e aprender as coisas da vida, mesmo que se resumisse a português, matemática, estudos sociais e OSPB.

De vez em quando, ia jogar bola do outro lado da linha do trem. O “outro lado da linha do trem” era quase um país. Um lugar longínquo, um faroeste. A fronteira do desconhecido. Diziam que tinha mar, tinha praia, avenidas movimentadas e quetais.

O menino só conhecia a fundo o seu lado da linha do trem. O lado da música, do samba, das escolas, dos campeonatos de rua. Eram como se fossem duas Alemanhas encravadas no subúrbio. A única coisa que as unia, além do nome do bairro, eram as festas juninas. Havia celebração em ambos os lados, herança valente do povo nordestino que habitava e alegrava o local.

Quando passava pela passarela que ligava os lados do bairro, muitas vezes via o trem passando. Rápido, lépido, faceiro. Imaginava que muitas vidas começaram no trem. Havia lenda de partos, de namoros e até casamentos que se iniciaram entre as composições daquele ramal.

Por outro lado, sabia dos suicídios e atropelamentos que também passavam e permeavam aqueles trilhos. O sopro da vida, o bafo da morte. Lado a lado. Como é. Como tem de ser. O som do trem embalando o destino.

Às vezes, andava de trem, vendendo picolés para comprar uma bermuda, uma camisa. Por vezes, vendia bem; em outras comia o produto. Ali, muita coisa aconteceu, outras ganharam significado e outras foram desmistificadas.

O barulho do trem o acompanhou pela adolescência e pelo início da vida adulta. Trilha sonora de alguns amores e outros dissabores. Onomatopéia de momentos de tensão e relaxamento. Um companheiro de boas e más jornadas.

Hoje, longe dos trilhos daquele trem, seguindo sua própria locomotiva, de vez em quando o menino escuta o barulho da composição caminhando em si. Vem de dentro da alma. É seu destino sendo trilhado por aí, indicando a velocidade das mudanças. Lado a lado. Como é. Como tem de ser.